Total de taxas pagas pelos Bracarenses ao Município em 2022 (até ao momento)

COMO SÃO UNS MAIS IGUAIS QUE OUTROS

– Vai apanhar a roupa, que o vizinho está a fazer uma fogueira!

– Todos os anos é a mesma coisa, ninguém segura estes cães quando lançam os foguetes.

– Lindo serviço! Por causa desta obra, ficámos sem passeio...

Estes, são exemplos de como as normais actividades diárias de umas pessoas podem prejudicar o bem-estar de outras. Mas estas e outras situações, são manifestações normais da cultura das comunidades e desenvolvimento da economia. Temos de

conviver com elas, e por isso, temos de conseguir geri-las de uma forma justa.

Esta questão foi inicialmente abordada há 130 anos por Alfred Marshall, que identifica “os custos impostos a outros que não são suportados pela pessoa que cria esses custos ou benefícios” como uma externalidade negativa. Aquele que foi considerado um dos seus melhores alunos – Arthur Pigou –, assumiu o seu lugar quando Marshall se reformou. E há cerca de 100 anos, apresentou como solução para corrigir este problema, a imposição de tributação a quem causa a externalidade. O valor dos impostos arrecadados, serviria para compensar as pessoas que sofrem os danos causados. Tendo também como efeito, incentivar o causador do mal-estar a reduzir os efeitos da sua acção.

Assim, por exemplo, o vizinho que pretende queimar alguns ramos e ervas secas no seu quintal, deve pagar 53,10 euros à Câmara Municipal de Braga (CMB)1. O lançamento de foguetes num fim de semana, obriga ao pagamento de 53,25 euros. A ocupação de espaço público para execução de operações urbanísticas, também obriga ao pagamento de uma taxa, calculada em função da área ocupada (mais um montante fixo).

O facto de o valor ser pago à CMB, simplifica o processo de indemnizar individualmente cada pessoa prejudicada. Logicamente, os valores arrecadados, deveriam reverter a favor das pessoas prejudicadas. Por exemplo, via financiamento de bens e serviços oferecidos pela autarquia na mesma zona geográfica em que o dano é causado. Mas aqui, temos a primeira falha deste sistema: esta alocação de recursos não existe e o valor reverte simplesmente para financiar a totalidade das despesas da CMB.

Outra falha, prende-se com a cobrança de taxas, cuja única justificação se encontra unicamente com a necessidade de a CMB arrecadar receitas. Porque é que, se eu colocar umas letras por dentro da janela do meu quarto a anunciar que vendo uns produtos dietéticos, tenho de pagar uma taxa? Porque é que o dono de um café tem de pagar uma taxa por colocar o nome do estabelecimento na sua montra? Mas se eu andar a passear vestido com uma t-shirt que anuncia em letras garrafais a sua marca, já não sou alvo de tributação.

E se a CMB decidir que algumas pessoas não precisam de indemnizar ninguém pelos prejuízos que causam? Sim, é possível. Pois podem ser concedidas isenções a entidades, “com fundamento no manifesto e relevante interesse municipal do respectivo objecto”, bem como a “associações ou fundações culturais, científicas, sociais, religiosas ou recreativas legalmente constituídas”.

Para a Câmara Municipal de Braga, os cidadãos são todos iguais. Mas claramente, alguns são mais iguais que outros.

1 Nota: apesar de presente na tabela de taxas municipais de 2022, actualmente, este valor não está a ser cobrado.

 

Correio do Minho

04 Mai 2022

 

Agenda


Pessoas
Livres

Liberdade
Individual

Mercados
Livres

Liberdade
Económica

Sociedades
Livres

Liberdade
Social

Cidadãos
Livres

Liberdade
Política

Vídeos


Intervenção de Rui Rocha

Mensagem de Rui Rocha

Intervenção de Bruno Machado

Apresentação da Candidatura

Legislativas 2022

Caminhada Liberal

Núcleos do Distrito de Braga

Barcelos

Guimarães

Vila Nova de Famalicão

Voluntariado

Inscrição

Faz-te Membro

Inscrição

 

WebSite

Termos de utilização

© 2022 Iniciativa Liberal Braga