Total de taxas pagas pelos Bracarenses ao Município em 2022 (até ao momento)

Regulamento

Artigo 1.º
Âmbito


1. O Núcleo Territorial, doravante “Núcleo”, é constituído por tempo indefinido, tem por âmbito a área geográfica do concelho Braga e adota a denominação: “Núcleo Territorial de Braga (NT BRG).
2. O Núcleo assume primariamente a representatividade, externa e interna, dos filiados da Iniciativa Liberal (IL) nele inscritos e do respetivo âmbito geográfico, sem prejuízo das competências e atribuições próprias dos outros órgãos e estruturas do partido.


Artigo 2.º
Princípios


O Núcleo rege-se pelos princípios expostos no artigo 3.º do Regulamento Geral de Núcleos da IL (RGNIL) e pelas demais disposições regulamentares e estatutárias aplicáveis.


Artigo 3.º
Membros do Núcleo


1. São Membros do Núcleo todos os filiados da IL que a ele tenham aderido e nele sido inscritos.
2. São direitos dos Membros do Núcleo:
a) Dirigir propostas e petições aos órgãos do Núcleo;
b) Ser convocado e participar nas reuniões do Plenário do Núcleo;
c) Exercer o direito de voto nos processos deliberativos do Núcleo, sem
prejuízo das limitações previstas no n.º 2 do artigo 7.º do RGNIL;
d) Eleger e ser eleito para órgãos e funções do Núcleo, nomeadamente
para delegado à Convenção Nacional, sem prejuízo das limitações
previstas no n.º 2 do artigo 7.º do RGNIL;
e) Ser regularmente informado e participar nas atividades do Núcleo.
3. São deveres dos Membros do Núcleo:
a) Cumprir e fazer cumprir o presente regulamento, e respeitar os órgãos eleitos do Núcleo e restantes Membros;
b) Cumprir com zelo e lealdade as funções para que seja eleito no Núcleo;
c) Contribuir para a formação da estratégia de atuação política do Núcleo.

 

Artigo 4.º
Plenário do Núcleo


1. O Plenário do Núcleo é o órgão deliberativo máximo do Núcleo e é constituído pela totalidade dos Membros do Núcleo regularmente inscritos.
2. O Plenário do Núcleo rege-se, com as devidas adaptações e no que não esteja aqui especialmente regulado, pelas disposições aplicáveis ao Conselho Nacional, com exceção do uso de meios telemáticos.
3. Sem prejuízo do seu direito de participação, só têm capacidade de voto no Plenário os Membros que não estejam inibidos por força do disposto no n.º2 do artigo 7.º do RGNIL ou doutra disposição regulamentar ou estatutária.
4. Cabe ao Plenário do Núcleo:
a) Aprovar o Regulamento do Núcleo ou alterações ao mesmo, em Plenário expressamente convocado para o efeito e sempre mediante parecer vinculativo do Conselho de Jurisdição do partido, a não ser que este seja dispensável nos termos do artigo 8.º do RGNIL;
b) Eleger e demitir todos os titulares de órgãos e funções do Núcleo, nomeadamente os delegados à Convenção Nacional;
c) Ratificar qualquer decisão de recusa de inscrição tomada nos termos do artigo 6.º do RGNIL;
d) Levantar a inibição prevista no n.º 2 do artigo 7.º do RGNIL, nos termos aí previstos;
e) Aprovar, com periodicidade anual, o plano de atividades do Núcleo;
f) Aprovar, com periodicidade anual, o relatório de atividades do Núcleo;
g) Sempre que ocorra gestão autónoma de fundos por parte do Núcleo, aprovar o respetivo orçamento e ratificar as respetivas contas;
h) Aprovar a estratégia de atuação política do Núcleo e apreciar a situação política no seu âmbito geográfico;
i) Aprovar as posições do Núcleo no âmbito do exercício ao direito de audiência prévia previsto na alínea c) do n.º 1 do artigo 9.º do RGNIL.
5. O Plenário poderá eleger uma Mesa para dirigir os seus trabalhos, constituída por um Presidente e dois Secretários, que pode ser ad-hoc ou para um mandato coincidente com o do Grupo de Coordenação Local (GCL).
6. A Mesa do Plenário assim eleita rege-se, com as devidas adaptações e no que não esteja aqui especialmente regulado, pelas disposições aplicáveis à Mesa do Conselho Nacional.


Artigo 5.º
Grupo de Coordenação Local


1. O Grupo de Coordenação Local (GCL) assume as funções de órgão dirigente do Núcleo e é constituído por:
a) 3 (três) titulares, caso o Núcleo tenha até 25 (vinte e cinco) Membros inscritos no momento da eleição;

b) 5 (cinco) titulares, caso o Núcleo tenha mais de 25 (vinte e cinco) e até 50 (cinquenta) Membros inscritos no momento da eleição;
c) 7 (sete) titulares, caso o Núcleo tenha mais de 50 (cinquenta) e até 100 (cem) Membros inscritos no momento da eleição;
d) 9 (nove) titulares, caso o Núcleo tenha mais de 100 (cem) Membros inscritos no momento da eleição.
2. Cabe ao GCL fazer a gestão da atividade quotidiana do Núcleo, desempenhando as funções e tarefas que lhes estejam expressamente atribuídas ou que não estejam atribuídas a outro órgão.
3. O GCL rege-se, com as devidas adaptações e no que não esteja aqui especialmente regulado, pelas disposições aplicáveis à Comissão Executiva.
4. As candidaturas ao GCL são feitas por listas fechadas, integradas por Membros do Núcleo que não estejam inibidos, devendo cada candidato subscrever a sua lista e não podendo integrar outra lista.
5. As candidaturas são obrigatoriamente acompanhadas de um documento de orientação política.
6. O GCL é eleito em Plenário, devendo a lista eleita obter a maioria absoluta de votos validamente expressos (descontando abstenções e votos nulos ou brancos).
7. Caso alguma lista não obtenha a maioria absoluta numa primeira votação, realizar-se-á uma segunda volta entre as duas listas mais votadas.
8. Os mandatos dos titulares do GCL têm uma duração de 2 (dois) anos, podendo ser renovados duas vezes em sucessão.
9. No mesmo ato de eleição, o Plenário poderá eleger um Coordenador de entre os titulares eleitos do GCL para presidir a este órgão e atuar como representante do Núcleo.
10. O Coordenador assim eleito rege-se, com as devidas adaptações e no que não esteja aqui especialmente regulado, pelas disposições aplicáveis ao Presidente da Comissão Executiva.


Artigo 6.º
Fiscalização, Jurisdição e Disciplina


1. A competência fiscalizadora quanto ao Núcleo está atribuída ao Conselho de Fiscalização do partido, no respeito pelas disposições regulamentares e estatutárias relevantes e sem prejuízo do princípio da autonomia.
2. A competência jurisdicional e disciplinar quanto ao Núcleo está atribuída ao Conselho de Jurisdição do partido, no respeito pelas disposições regulamentares e estatutárias relevantes e sem prejuízo do princípio da autonomia.

Agenda


Pessoas
Livres

Liberdade
Individual

Mercados
Livres

Liberdade
Económica

Sociedades
Livres

Liberdade
Social

Cidadãos
Livres

Liberdade
Política

Vídeos


Seguro de Saúde Municipal

Mensagem de Rui Rocha

Intervenção de Bruno Machado

Estado da Saúde

Invasão da Ucrânia

Rui Rocha pede responsabilidades

© 2022 Iniciativa Liberal Braga