Total de taxas pagas pelos Bracarenses ao Município em 2022 (até ao momento)

Viver abaixo das nossas possibilidades

Nos últimos dias, discutiu-se se o primeiro-ministro vai continuar no governo a partir de 2024. Ora, esta é uma questão que diz sobretudo respeito a António Costa e aos eleitores que lhe confiaram o voto. Muito mais relevante é efectuar um balanço do que fez nos últimos seis anos e projectar o que poderá ser a sua actuação enquanto estiver em funções.

Quanto ao balanço, Costa obteve, reconheça-se, vários recordes. Bateu o recorde do governo mais extenso da democracia. Sagrou-se recordista da carga fiscal e da receita de impostos sobre os combustíveis. Detém o recorde de portugueses sem médico de família - um milhão e duzentos mil em Janeiro - e de cirurgias em atraso: 200 mil portugueses esperam uma intervenção. Alcançou ainda uma elevadíssima taxa de desemprego jovem - chegou a ser de 24% há bem pouco tempo e estava em 20% em Fevereiro. E, além de tudo isto, é o chefe de governo que viu mais países europeus ultrapassarem Portugal durante os seus mandatos. Até ver, quatro. É mais um recorde. E, mesmo que se retire para um cargo europeu em 2024, já não sairá antes de sermos ultrapassados também pela Roménia, batendo assim o seu próprio recorde.

Para os próximos tempos, o Programa do Governo também não traz boas notícias. A Saúde, a Justiça, o Sistema Eleitoral, a Agricultura são apenas algumas áreas em que tudo continuará como antes. Mas concentremo-nos no crescimento. Portugal será um dos últimos países da União Europeia a recuperar os níveis de riqueza existente antes da pandemia. E, a partir de 2024, já depois dos milhões do Plano de Recuperação e Resiliência, o aumento do produto interno bruto voltará a ser anémico.

Perante isto, o Governo não adopta a medida que dinamizaria a economia: a descida de impostos para empresas e famílias. No IRC, teremos das taxas mais altas da Europa. Mais um recorde. No IRS, passaremos a ser o país da União Europeia com mais escalões. Novo recorde, com mais complexidade e burocracia. E algum alívio que possa existir para certos níveis de rendimento será mais do que compensando com o agravamento da tributação indirecta. O que deixa de ser retido na fonte fica, no dia seguinte e em dobro, na bomba de gasolina.

Vem aí mais do mesmo e isso é muito menos do que precisamos. Com a governação socialista, os portugueses continuarão a viver abaixo das suas possibilidades, a concretização do potencial do país ficará novamente adiada e os jovens terão na emigração, em breve tendo também como destino a Roménia, a única opção para encontrarem melhores condições de vida.

 

 Novo, Link

10 Abr 2022

Agenda


Pessoas
Livres

Liberdade
Individual

Mercados
Livres

Liberdade
Económica

Sociedades
Livres

Liberdade
Social

Cidadãos
Livres

Liberdade
Política

Vídeos


Intervenção de Rui Rocha

Mensagem de Rui Rocha

Intervenção de Bruno Machado

Apresentação da Candidatura

Legislativas 2022

Caminhada Liberal

Núcleos do Distrito de Braga

Barcelos

Guimarães

Vila Nova de Famalicão

Voluntariado

Inscrição

Faz-te Membro

Inscrição

 

WebSite

Termos de utilização

© 2022 Iniciativa Liberal Braga