Total de taxas pagas pelos Bracarenses ao Município em 2022 (até ao momento)

A seita que dói menos

Aceitámos, em Janeiro, as propostas, ideias e promessas da seita que dói menos nos sacrifícios que temos de enfrentar para sairmos desta crise que nos atormenta há décadas: as propostas, ideias e promessas do Partido Socialista sobre as maravilhas que vai trazer-nos à nossa vida a partir de agora. Nas últimas décadas, uma série de azares têm jogado contra as nobres intenções dos sucessivos primeiros-ministros socialistas; mas desta vez, podemos ter a certeza que é de vez.

Cada um de nós, aceitou doar 320 euros para tapar o mais recente buraco da TAP. Para uma companhia aérea que é nossa! Serve todos os portugueses, de Norte a Sul do país, com preços baixos e um serviço de excelência.

Compreendemos que a promessa de todos termos médico de família em 2016 não foi cumprida por motivos alheios à vontade de António Costa. Tal como também foi alheia à sua vontade o facto de ter prometido computadores para todos os alunos há três anos, e ter falhado. Temos de aceitar estes factos, porque é evidente que o governo PS fez tudo que estava ao seu alcance.

Aceitámos também a promessa do acentuar da progressividade do IRS a partir do presente ano, levando os mais ricos a pagar mais, e os mais pobres a pagar menos. Nem que para isso, os mais ricos sejam forçados a ir produzir riqueza para outros países, pois se não querem cá ficar, não fazem falta nenhuma.

Também aceitámos a promessa eleitoral de aumento do rendimento médio por trabalhador em 20% entre 2021 e 2026, ou seja, 3,7% ao ano. Portanto, com um aumento dos salários de 0,9% neste ano, estávamos a antecipar uma descida dos preços de 2,8%.

Mas, meus amigos, ao contrário dos antigos mártires da Europa, como Hungria, Polónia, Estónia e Chéquia, que ganhavam entre um terço e metade do que nós ganhávamos há 30 anos e agora são mais ricos que nós, a vida dos portugueses não tem sido nada fácil. Têm sido azares atrás de azares.

Infelizmente, mais uma vez, o azar bateu-nos à porta. A inflação está a subir em flecha e, por causa disso, estamos a ter uma diminuição dos salários cada vez maior a cada dia que passa. Este IRS adicional, começou por ser 2,4% em Janeiro e foi crescendo, estando já em 6,3% em Abril. É um imposto que TODOS pagamos, pobres e ricos, velhos e novos. Recai, não só sobre os salários e as reformas, mas também sobre as poupanças. É exactamente o contrário de um imposto progressivo, pois aplica-se a mesma taxa a toda a gente. É novamente uma promessa falhada.

Era possível devolver este IRS adicional às pessoas? Sim, era. Mas a Dívida Pública astronómica que temos, tem que ser paga. E também temos que tapar o buraco da TAP. Assim como temos que pagar os salários do maior número de funcionários públicos que alguma vez existiu na história do nosso país. Não esquecendo ainda os grupos e comissões de trabalho que tornam melhor a vida de todos nós, como por exemplo, o salário de 4500 euros por mês, durante cinco anos e meio, que vamos pagar só ao responsável pela organização das comemorações dos 50 anos do 25 de Abril – para além dos salários dos restantes membros da equipa.

Aceitamos que esta não era a intenção de António Costa.

Aceita Zé, que...

Docente do Ensino Superior nas áreas de Economia e Finanças

Dinheiro Vivo, Link

02 Mai 2022

Agenda


Pessoas
Livres

Liberdade
Individual

Mercados
Livres

Liberdade
Económica

Sociedades
Livres

Liberdade
Social

Cidadãos
Livres

Liberdade
Política

Vídeos


Seguro de Saúde Municipal

Mensagem de Rui Rocha

Intervenção de Bruno Machado

Estado da Saúde

Invasão da Ucrânia

Rui Rocha pede responsabilidades

© 2022 Iniciativa Liberal Braga