Total de taxas pagas pelos Bracarenses ao Município em 2022 (até ao momento)

Costa III, o austeritário

Os dois governos anteriores de António Costa construíram a estratégia comunicacional em torno de duas ideias fundamentais: viragem da página da austeridade e reposição de rendimentos. É claro que nenhuma destas mensagens descrevia rigorosamente a realidade, correspondendo mais a uma ilusão habilmente lançada no

discurso político do que a alterações concretas da situação de facto. Em todo o caso, o Orçamento do Estado de 2022 marca o momento em que, por muito que se insista no contorcionismo comunicacional, essas duas bandeiras foram definitivamente abandonadas.

Vejamos. A inflação prevista pelo governo para 2022 é agora de 4%. Entretanto, o aumento salarial da Função Pública é de 0,9% e Fernando Medina já manifestou a intenção de não rever este valor. Por considerar que estamos perante fenómenos temporários e por não querer estimular uma espiral inflacionista. Assistiremos, assim, a uma perda real do poder de compra.

Entretanto, ao mesmo tempo que os portugueses sofrem uma degradação dos salários reais, a receita fiscal prevista sobe de forma drástica, precisamente devido à inflação. Estamos a falar de um aumento de 6,73% (!) face aos dados da execução provisória disponíveis para 2021, o que corresponde a uma cobrança de mais 3.066 milhões de euros. A receita do IVA, por exemplo, e sabendo-se que é um imposto fortemente regressivo que penaliza sobretudo os mais desfavorecidos, deverá crescer 11%. A outra fatia significativa do aumento de receita fiscal virá do IRS. A confirmarem-se estes dados, a carga fiscal ultrapassará todos os recordes em 2022, situando-se provavelmente acima dos 37% do PIB.

Ora, esta voracidade fiscal revela uma total insensibilidade deste terceiro executivo de António Costa perante as dificuldades que enfrentaremos nos próximos meses. O mínimo aceitável numa situação destas seria a actualização dos escalões do IRS à taxa da inflação, a redução da taxa nominal do IVA e a revisão ainda mais ambiciosa dos impostos sobre combustíveis. Tais medidas representariam um alívio imediato que chegaria quer a funcionários públicos, quer a trabalhadores do sector privado. Em contrapartida, se o governo persistir na vertigem da cobrança descontrolada de impostos no contexto de uma realidade cada vez mais dura, não vale a pena refugiar-se em jogos de palavras: estaremos, sem rodeios, perante uma situação de austeridade patente, inquestionável e deliberada.

 

Novo, Link

24 Abr 2022

Agenda


Pessoas
Livres

Liberdade
Individual

Mercados
Livres

Liberdade
Económica

Sociedades
Livres

Liberdade
Social

Cidadãos
Livres

Liberdade
Política

Vídeos


Seguro de Saúde Municipal

Mensagem de Rui Rocha

Intervenção de Bruno Machado

Estado da Saúde

Invasão da Ucrânia

Rui Rocha pede responsabilidades

© 2022 Iniciativa Liberal Braga