Total de taxas pagas pelos Bracarenses ao Município em 2022 (até ao momento)

DIGA UM!

Das Kapital[1] , escrito no final do séc. XIX, veio trazer uma lufada de ar fresco a um sistema de organização da sociedade e da economia que começava a dar mostras de asfixiar o proletariado[2]. Os proletários estavam a ser explorados pelos capitalistas, que pagavam pela sua força de trabalho, valores no limiar da subsistência, impedindo-os de melhorar a sua vida – impedindo-os de apanhar o elevador social e perpetuando o ciclo de pobreza para os seus descendentes. 

Poucos anos após a completa edição do livro, a revolução russa de 1917 começou a colocar em prática esta alternativa ao modelo capitalista de organização económica num novo país, abreviadamente conhecido por União Soviética (ou URSS). Apesar de a URSS ter colapsado em 1991, vários outros países foram adoptando este modelo que defende a melhoria do bem-estar dos mais desfavorecidos usando como meio a intervenção do Estado.

Quase todos os países que compunham a URSS e os que estavam sob o controlo desse país, acabaram por abandonar o sistema socialista que tantos benefícios lhes trouxe durante décadas, subjugando-se às forças do capitalismo. Cerca de 30 anos depois, como estarão esses países? Vamos comparar o rendimento per capita de alguns deles (dois ex-membros da URSS e dois que nunca estiveram integrados nessa “união”) com quatro países socialistas de que conseguimos obter estatísticas minimamente fiáveis[1].

Legenda: a vermelho, os países socialistas; a azul, os países ex-socialistas.

Como podemos constatar, os antigos países socialistas, que se entregaram ao capitalismo, têm o seu povo a ganhar entre 4 a 8 vezes o que ganham as pessoas dos países socialistas.

A ideologia de uma sociedade em que cada um deve contribuir conforme as suas capacidades e que cada um deve receber conforme as suas necessidades, é uma ideologia muito bonita. Moralmente à prova de bala! Mas na ânsia de redistribuir o bolo, os factos dizem-nos que o socialismo não tem permitido que o bolo cresça. O bolo até pode estar bem distribuído, mas anda a distribuir migalhas.

E quanto a nós? Desde 1974 (há 48 anos) que nós estamos no “caminho para uma sociedade socialista” – texto que podemos ler nas primeiras linhas da nossa lei fundamental, a Constituição da República. Não há engano! E se dúvidas houvesse, temos a confirmação da alternância no poder entre um Partido Socialista democrático e um Partido Social Democrata, bem como a classificação de “país socialista” que nos é internacionalmente atribuída.

Portanto, tudo se conjuga para que a prosperidade nos tenha caracterizado nas últimas décadas. Como podemos confirmar este sucesso? Vamos comparar-nos com os mesmos quatro países que abandonaram o socialismo há cerca de 30 anos.

Todos têm as suas populações com um nível de rendimento superior ao nosso. E mais importante que isso, TODOS têm taxas de crescimento superiores às nossas, o que significa que cada vez vão ficar mais distantes de nós.

Parafraseando Carlos Guimarães Pinto, “Diga-me um país em que o socialismo tenha sido um sucesso.”

 

 

[1] Relativamente à Coreia do Norte, é impossível obter estatísticas; relativamente à China, apesar de se dizer um país socialista, na verdade, já há muito que foi adoptado o regime capitalista, embora com forte controlo do Estado.

[1] “O Capital – Crítica de Economia Política”, livro de Karl Marx, como resposta às teorias clássicas sobre a economia, defendendo o autor que o capitalismo contém em si as sementes da sua própria aniquilação.

[2] A classe trabalhadora, que não conseguirá nunca acumular capital, que herdou esta alcunha porque se caracteriza por ter uma vasta prole – filhos, descendentes...

[3] Relativamente à Coreia do Norte, é impossível obter estatísticas; relativamente à China, apesar de se dizer um país socialista, na verdade, já há muito que foi adoptado o regime capitalista, embora com forte controlo do Estado.

 

Mário  Joel Queirós, Docente do Ensino Superior nas áreas de Economia e Finanças,

Jesus Caldas, Engenheiro electrotécnico. Dirigentes da Iniciativa Liberal

in Dinheiro Vivo , Lynk

06/07/2022

Agenda


Pessoas
Livres

Liberdade
Individual

Mercados
Livres

Liberdade
Económica

Sociedades
Livres

Liberdade
Social

Cidadãos
Livres

Liberdade
Política

Vídeos


Seguro de Saúde Municipal

Mensagem de Rui Rocha

Intervenção de Bruno Machado

Estado da Saúde

Invasão da Ucrânia

Rui Rocha pede responsabilidades

© 2022 Iniciativa Liberal Braga