Total de taxas pagas pelos Bracarenses ao Município em 2022 (até ao momento)

ANTÓNIO, METE MAIS TABACO NISSO!

– Temos de fazer um esforço para que o peso dos salários dos portugueses no PIB seja, pelo menos, idêntico ao que existe na média europeia.

– Apelo às empresas para contribuírem para um aumento de 20% do salário médio do nosso país.

– Na busca de um trabalho digno, estamos a estudar a semana de quatro dias de trabalho.

Estes objectivos têm um prazo: até 2026, a sociedade, o Estado e as empresas, devem actuar em conjunto para os alcançar. É este o caminho para os próximos quatro anos. Palavra de António Costa!

Relativamente ao primeiro objectivo, contrariamente ao que o nosso primeiro-ministro tuitou no dia 1 de Maio, em 2021 Portugal já teve um peso dos salários no PIB superior ao da Zona Euro: 48,8% é superior a 48,1%[1], não há qualquer dúvida. Portanto, a mentira que António Costa tem vindo a proferir, já lhe valeu o primeiro golo, mesmo antes de o jogo começar. Faltam dois.

O segundo objectivo pretende aumentar o salário médio em 20% em quatro anos. Se o esforço do Estado e das empresas for equivalente, isso implica aumentos salariais médios na função pública de 4,66% ao ano[2], durante quatro anos. Quando é que aconteceu observarmos um aumento destes? Só para termos uma ideia, no presente ano, o Estado aumentou 0,9% aos seus trabalhadores, sabendo antecipadamente que a inflação ficaria muito acima de 5%, sendo o cenário mais provável algo próximo dos 10%[3].

Quanto ao terceiro objectivo, o primeiro-ministro até referiu que a diminuição de cinco para quatro dias de trabalho pode ser acompanhada de um aumento das horas de trabalho diárias. Poderemos pensar então numa redução equivalente de 5 para 4,5 dias? Ou seja, 4 dias a trabalhar 9 horas por dia? Isto significará uma diminuição de 10% das horas trabalhadas ao fim de quatro anos.

Contas feitas, o nosso primeiro-ministro pretende que o custo da mão-de-obra aumente 33,3% em quatro anos. “E o país aguenta? Ai aguenta, aguenta.” Tal como aguentou a austeridade a partir de 2012! Certo?

Vamos ver o que nos diz a História sobre a produtividade e a remuneração do trabalho.

 

   

 

Fonte dos dados: Eurostat.

Consequências deste comportamento: o encarecimento da mão-de-obra em Portugal.

[1] Ver “Vida Económica” de 12/05/2022:

https://www.vidaeconomica.pt/www.vidaeconomica.pt/vida-economica-1/publicacoes/edicao-num-1931-do-vida-economica-de-13052022/negocios-e-empresas/estupidez-ou-desonestidade

[2] Taxa de crescimento anual: (1+20%)1/4–1 = 4,66%.

[3] Portanto, é fácil de adivinhar que o contributo das empresas para o aumento do salário médio em 20% significa que deverão aumentar os seus salários uns 30 ou 40%, para compensar a parte do Estado.

Primeira constatação: nos últimos 12 anos, os salários aumentaram 15,8%. António Costa pretende que eles aumentem 20%, em 4 anos.

Segunda constatação: nos últimos 12 anos, os salários aumentaram mais 5,5 pontos percentuais que a produtividade aparente do trabalho (que aumentou só 10,3%). Portanto, nos últimos 12 anos os trabalhadores têm vindo a ganhar cada vez mais relativamente aos capitalistas. António Costa quer dilatar ainda mais esta proporção.

Terceira constatação: a comparação com os nossos parceiros traz-nos motivos para alarme. Porque, por um lado, a produtividade do trabalho na Zona Euro aumentou MAIS 3,6 p.p. que os nossos; e por outro lado, os salários na Zona Euro aumentaram MENOS 1,3 p.p. que os nossos.

Portanto, perdemos competitividade na mão-de-obra. E António Costa quer que esta situação se agrave.

Resumindo, António Costa pretende:

– Uma subida dos salários dos portugueses em 4 anos, equivalente àquilo que levaria 15 anos[1].

– Um aumento da produtividade do trabalho em 4 anos, equivalente àquilo que levaria 35 anos[2].

– Um encarecimento brutal do trabalho em Portugal relativamente aos nossos parceiros.

António... Sinceramente... Mete mais tabaco nisso!

 

[1] Taxa anual de crescimento dos salários em 12 anos: (1+15,8%)1/12–1 = 1,22%; em 20 anos: (1+1,22%)15–1 = 20%.

[2] Taxa anual de crescimento da produtividade do trabalho em 12 anos: (1+10,3%)1/12–1 = 0,82%; em 35 anos: (1+0,82%)35–1 = 33%.

 

Mário Joel Queirós

Docente do Ensino Superior nas áreas de Economia e Finanças

in Dinheiro Económica

08-Jul-2022

 

Agenda


Pessoas
Livres

Liberdade
Individual

Mercados
Livres

Liberdade
Económica

Sociedades
Livres

Liberdade
Social

Cidadãos
Livres

Liberdade
Política

Vídeos


Seguro de Saúde Municipal

Mensagem de Rui Rocha

Intervenção de Bruno Machado

Estado da Saúde

Invasão da Ucrânia

Rui Rocha pede responsabilidades

© 2022 Iniciativa Liberal Braga