Total de taxas pagas pelos Bracarenses ao Município em 2022 (até ao momento)

O salário mínimo da vergonha

Em Portugal existe um salário mínimo nacional (SMN) fixado por lei, para todo o território continental, que em 2022 é de 705 euros. Nos Açores é de 740,25 euros e na Madeira é de 723 euros. Sim, o SMN não é único. As regiões autónomas têm a liberdade de escolher o seu, fazendo-o tendo em conta as suas características económico­‑sociais.

O mesmo acontece na União Europeia (UE) em que cada país fixa o seu próprio SMN. Ou não, pois alguns países acham preferível não o fazer. Vamos comparar os valores de 2021, uma vez que ainda não temos dados para 2022, acertando o valor mensal, tendo em conta o número de meses pagos durante um ano. Dos 21 países da UE que fixam administrativamente um salário mínimo, Portugal ocupa a 10.ª posição, com um valor muito semelhante aos seus dois “vizinhos”, Malta e Grécia. Portanto, até se situa na metade superior. Se ponderarmos o salário pelos níveis de preços relativos, a nossa classificação piora, mas não muito: passamos para o 13º. lugar. Num total de 21 países, não é uma vergonha.

Mas vejamos o que se passa quando comparamos o valor do SMN com o nível da produtividade do trabalho (medido em horas). O nosso SMN está a 80% da média europeia, enquanto que a produtividade média do trabalho (PML) avaliada em euros, está a 58%.

Fonte: Eurostat[1].

Daqui, duas observações podem ser assinaladas:

  1. O nível de preços é diferente nos vários países membros da UE, pelo que o mesmo salário em euros, permite aos habitantes da Estónia ou da Eslováquia, comprar quase o dobro dos bens e serviços que os habitantes do Luxemburgo. Portanto, o dobro do salário no Luxemburgo relativamente a estes países, significa que quem o recebe tem o mesmo poder de compra.
  2. A mão-de-obra, em euros, apresenta produtividades diferentes nos vários países. No Luxemburgo e na Irlanda é quase o quíntuplo da Estónia e Eslováquia, pelo que as empresas do Luxemburgo estão em condições de pagar salários bem mais altos que as da Estónia ou da Eslováquia. Portanto, o pagamento de salários nestes dois países, que se afaste desta razão de valores, tende a tornar esse país menos competitivo.

A questão que se pode colocar neste momento é: se na Europa cada estado membro estabelece o seu SMN, que depende de múltiplas variáveis, nomeadamente a produtividade do trabalho e o nível de preços, porque é que em Portugal não podemos fazer o mesmo ao nível regional ou municipal? Até porque já temos o precedente das regiões autónomas dos Açores e da Madeira.

Como não temos estatísticas sobre o índice de preços no consumo desagregado por município, vejamos o que acontece ao nível dos valores da habitação, seja própria ou arrendada.

 

Fonte: INE[2]

Em Lisboa, o preço da habitação é 21 vezes superior ao preço dos municípios mais baratos enquanto que as rendas se situam quase seis vezes acima do valor médio.

Faz algum sentido o salário mínimo ser o mesmo nestas localidades? Não deveria o salário ser bem mais superior em Lisboa do que em Belmonte ou na Pampilhosa da Serra? Ou será que as pessoas vivem com a mesma dignidade com um salário de 705 euros em Lisboa e em Belmonte ou na Pampilhosa da Serra? Será que a qualificação da mão-de-obra em Lisboa tem a mesma produtividade de Belmonte ou de Pampilhosa da Serra?

A haver a fixação de um salário mínimo com um valor igual para todo o território continental, é impossível que consiga cumprir a sua função de assegurar um mínimo de subsistência para todas as pessoas. Para além de que está a causar graves assimetrias regionais.

Sim, “a haver a fixação”. Porque não deveríamos ter necessidade de o fixar administrativamente.

O Salário Mínimo Nacional é uma vergonha simplesmente porque é uma vergonha precisarmos de impor um salário mínimo nacional. O salário mínimo nacional deveria ser alto, deveria estar fixado em 1500 ou 2000 euros, mas porque a produtividade da mão-de-obra assim o permitiria.

É UMA VERGONHA! Viver num país precisamos de fixar administrativamente um SALÁRIO MÍNIMO por lei.

 

[1] A PML é publicada em paridade dos poderes de compra, tendo sido convertida em euros pelo nível de preços também publicado pelo Eurostat. Ainda não existem dados relativos a PML para 2021.

[2] Valores para 2.º semestre de 2021.

 

Publico, Link

14, Jan 2022

Agenda


Pessoas
Livres

Liberdade
Individual

Mercados
Livres

Liberdade
Económica

Sociedades
Livres

Liberdade
Social

Cidadãos
Livres

Liberdade
Política

Vídeos


Intervenção de Rui Rocha

Mensagem de Rui Rocha

Intervenção de Bruno Machado

Apresentação da Candidatura

Legislativas 2022

Caminhada Liberal

Núcleos do Distrito de Braga

Barcelos

Guimarães

Vila Nova de Famalicão

Voluntariado

Inscrição

Faz-te Membro

Inscrição

 

WebSite

Termos de utilização

© 2022 Iniciativa Liberal Braga