Total de taxas pagas pelos Bracarenses ao Município em 2022 (até ao momento)

O Liberalismo não é um lugar estranho

Em Portugal, durante muito tempo, sobre a nossa liberdade foram-se sobrepondo outros direitos que a colectividade foi entendendo como sendo mais prementes. Como referiu Hayek, na sua obra “O Caminho Para a Servidão”, “no colectivismo não há lugar para o amplo humanismo dos liberais mas apenas para o estreito sectarismo dos totalitaristas”. Nesta esteira, não era comum alguém se insurgir contra os impedimentos do Estado aos cidadãos não autorizando esta e aquela iniciativa. Não era normal alguém propor a diminuição da carga fiscal, desburocratizar, incentivar o crescimento económico, defender a ADSE para todos. Esse tempo acabou! Cada vez mais, no nosso dia-a-dia, vemos portugueses a aderir ao Liberalismo.

Mas afinal o que é o Liberalismo?

Ser liberal é promover a liberdade individual, económica e social. A liberdade é o valor supremo e ela deve estar presente em todos os campos para garantir o desenvolvimento económico do nosso país. Se alguma destas vertentes da liberdade se encontrar ameaçada, certamente variadíssimos direitos estarão em perigo.

Uma das premissas essenciais do liberalismo consiste em menos Estado e mais liberdade. Os liberais defendem que um Estado mais pequeno é mais eficiente, sendo que a produção de riqueza deve ser função da sociedade civil, num regime de mercado livre, em que se respeita a propriedade privada e se extinguem os privilégios e o compadrio. Na verdade, os liberais defendem que o Estado foi criado para servir o indivíduo.

Acredita-se, então, que o Estado deve ter as seguintes funções: a segurança, a ordem pública, a justiça e o acesso à saúde. O Liberalismo tem como princípio basilar a subsidiariedade, promovendo-se a descentralização do Estado, devendo o poder ser exercido o mais próximo possível dos cidadãos. O Liberalismo protege o direito à diferença, impulsionando uma sociedade aberta, dinâmica e com liberdade de escolha.

Em suma, isto de ser liberal é defender que o Estado não necessita estar presente a cada hora dos nossos dias, é promover a concorrência e deixar os cidadãos gerir os seus assuntos, devidamente acompanhados da respectiva responsabilidade. Não podemos esquecer que não pode haver liberdade sem responsabilidade. O indivíduo tem de ser responsável pelos seus actos, tendo sempre presente os direitos dos outros cidadãos.

Como medidas defendidas pelos liberais, em prática há vários anos em diversos países, destaca-se a criação de uma taxa única sobre o rendimento, pois desburocratiza e possibilita aos cidadãos subirem na vida trabalhando e investindo. Outra das medidas prende-se com a “liberdade de escolha” na saúde e educação. As pessoas pagam impostos para ter acesso a essas áreas, pelo que faz sentido que possam escolher a escola dos seus filhos ou o médico que as vai tratar, seja dentro do sistema público, seja dentro do sistema privado.

Liberais, chegou a nossa hora! Têm de se assumir (e tenho conhecido muitos todas as semanas); é imperativo desmistificar o Liberalismo e lutar por aquilo que acreditamos. Desde 1974 que Portugal é governado pelo socialismo (quer através de socialistas, quer através de sociais-democratas). Como alguém já disse, as políticas liberais são a solução para o “inverno” socialista que tem levado à estagnação do nosso país. O peso dos impostos com que vivemos diariamente asfixia a nossa liberdade (os portugueses entregam em média quase 40% do seu rendimento ao Estado).

Agenda


Pessoas
Livres

Liberdade
Individual

Mercados
Livres

Liberdade
Económica

Sociedades
Livres

Liberdade
Social

Cidadãos
Livres

Liberdade
Política

Vídeos


Seguro de Saúde Municipal

Mensagem de Rui Rocha

Intervenção de Bruno Machado

Estado da Saúde

Invasão da Ucrânia

Rui Rocha pede responsabilidades

© 2022 Iniciativa Liberal Braga