Total de taxas pagas pelos Bracarenses ao Município em 2022 (até ao momento)

A BOMBA-RELÓGIO (SPOILER ALERT!)

A Dívida Pública de Portugal baixou, em Setembro, pelo terceiro mês consecutivo[1]. E baixou também pelo segundo trimestre consecutivo: depois de ter atingido o máximo de 139% do PIB no primeiro trimestre de 2021, agora está em apenas 131%. São, ou não são, boas notícias?

E não acabam aqui, pois as previsões da Comissão Europeia apontam para que acabemos o ano com uns modestos 128%[2]. Para quem se comprometeu a não ultrapassar 60% do PIB…

Como assim? Para que serve o espartilho dos 60% se quase há 20 anos que não o cumprimos e ainda não fomos à falência? Bem, na realidade, já fomos em 2011, quando atingimos 114%. Só não declarámos bancarrota porque fomos resgatados pela Troica. Mas desde então, ainda não conseguimos ter um défice inferior a esse valor, e despedimo-nos da Troica em 2014 com um défice de 133%. Como nos temos aguentado?

Recordando, o Banco Central Europeu resgatou-nos, comprando dívida do governo português a uma taxa de juro muito abaixo daquela a que o mercado estava disposto a comprar. Mesmo em 2020, o BCE ainda comprou mais de metade da emissão da nossa dívida pública. Por causa disso, o Estado português conseguiu financiar-se à taxa de 0,39% em Novembro último[3]. Mas em Janeiro de 2012, teve que pagar 13,85% pelo financiamento e já estávamos sob resgate da Troica.

Quando o BCE deixar de comprar dívida pública dos Estados membros, os juros a pagar não disparam instantaneamente, dado que grande parte do nosso financiamento é de longo prazo. No início do século, altura em que as nossas contas públicas cumpriam as regras orçamentais[4], a taxa média andava em valores superiores a 5%. Nessa altura, a Euribor a um ano rondava os 5% e actualmente ronda os –0,5%. Tem sido esta a relação entre estas taxas:

Se a Euribor começar a subir, as novas emissões de dívida pública de Portugal, também vão ter uma taxa de juro superior. E se o BCE deixar de comprar dívida pública dos Estados membros, as pessoas que têm dinheiro para emprestar ao Estado português, vão querer cobrar um juro superior (tal como já aconteceu).

Aliás, a questão não é “se”, mas “quando”. Porque isso vai acontecer. E vai acontecer muito brevemente.

Qual o impacto de uma subida da taxa de juro da dívida pública para os valores que já tivemos, quando o BCE não a comprava? E qual o impacto de uma subida da taxa de juro da dívida pública para valores consistentes com um endividamento igual ao que temos actualmente?

Concretizando, o valor dos juros a pagar vai triplicar[5], passando a representar mais de 20% das receitas totais do Orçamento de Estado. Serão mais do que as despesas com o Pessoal e dois terços das despesas com a Segurança Social.

Quando a bomba-relógio rebentar, quem irá ser atingido? Doentes, pensionistas, trabalhadores do Estado…

Não, ainda não vimos este filme. O que se passou na época da Troica foi apenas um trailer.

 

 

[1] https://bpstat.bportugal.pt/conteudos/noticias/1477/

[2]https://ec.europa.eu/info/business-economy-euro/economic-performance-and-forecasts/economic-performance-country/portugal/economic-forecast-portugal_en (Dezembro de 2021)

[3] https://bpstat.bportugal.pt/serie/12099464 (Dezembro de 2021)

[4] Dívida pública até 60% e défice orçamental até 3% do PIB.

[5] Juros da dívida pública a 10% e endividamento semelhante ao dos últimos dez anos.

 

VidaEconomica

31, Dez 2021

Agenda


Pessoas
Livres

Liberdade
Individual

Mercados
Livres

Liberdade
Económica

Sociedades
Livres

Liberdade
Social

Cidadãos
Livres

Liberdade
Política

Vídeos


Seguro de Saúde Municipal

Mensagem de Rui Rocha

Intervenção de Bruno Machado

Estado da Saúde

Invasão da Ucrânia

Rui Rocha pede responsabilidades

© 2022 Iniciativa Liberal Braga