Total de taxas pagas pelos Bracarenses ao Município em 2022 (até ao momento)

Há dois segundos no Planeta Terra

“Se comprimirmos toda a história da terra (4,5 Biliões de Anos) em 24 horas, os seres humanos entrariam apenas nos últimos 2 segundos dessas 24 horas”.

 

 

Sem grande destaque, em Portugal ou no Mundo, no dia 28 de julho de 2022 atingimos o ponto em que “a humanidade consumiu tudo o que os ecossistemas podem regenerar no espaço de um ano”.

Após a réstia de esperança que surgiu em 2020, onde perante um mundo em isolamento o Planeta teve um breve momento de descanso, mas não de recuperação, e que adiou este acontecimento em 3 semanas nesse mesmo ano, voltamos às práticas habituais de produção excessiva para tentar sustentar uma percentagem da população que nunca estará satisfeita. Sem surpresas, já consumimos tudo que o nosso planeta consegue produzir e regenerar num ano. Registe se que faltam quatro meses para terminar o ano de 2022 e que este ano está a diferir em muitos aspetos.

Não sendo eu perito em ecologia, faço uma pesquisa rápida (na Wikipédia) sobre ecossistemas, da qual destaco o seguinte: “Os ecossistemas frequentemente formam uma série de cadeias que mostram a interdependência dos organismos dentro do sistema”. Interdependência é a palavra magica, tudo está relacionado.

Vamos ser realistas! As provas são evidentes e é impossível negar.

O clima do planeta Terra está a sofrer alterações extremas e os ecossistemas do nosso planeta estão a colapsar. Não temos água em alguns dos maiores rios da Europa, pois passamos por períodos de calor intenso que em conjunção aos meses seguidos sem chuva em quantidades razoáveis, facilita e gera as condições ideais para os incêndios devastadores que vemos pelo mundo fora e que agravam o problema ao contribuir para a destruição de ainda mais habitats naturais, tudo isto, aliado aos atos desastrosos do ser humano no nosso dia a dia contra a Mãe Natureza.

Quero destacar o trágico exemplo do incêndio no Parque Natural da Serra da Estrela, uma autêntica catástrofe para a biodiversidade de Portugal, e na sua significância, para o Mundo, onde a área ardida supera os 15 000 hectares, e é quase impossível contabilizar as perdas de fauna e flora na região. Uma autêntica desgraça, que será impossível de repor ao seu estado original, ao contrário do que dizem algumas, “mentes iluminadas”. Uma desgraça, mais uma.

Estamos a perder biodiversidade a um ritmo avassalador, o ser humano tem sido responsável pela extinção de milhares de espécies, e mesmo os animais que “produzimos” em massa para alimentar a percentagem da população que nunca está satisfeita, acarretam consequências para o bem-estar do planeta, dado a soma de todos os gases que derivam da “produção” e da sua cadeia logística.

Conseguimos interferir até com o ciclo da água, todos os desastres ambientais que o ser humano provocou, o consumo exagerado de água e o seu desperdício, tem vindo a alterar o clima há muito, no entanto, estamos a apenas a começar a sentir as suas consequências. Existem registo de estudos que indicam que a própria água da chuva já não é segura para consumo. Perante isto o que podemos fazer?

As perspetivas não são boas. Não podem ser boas. De acordo com mais estudos, de algumas organizações não governamentais a população mundial produz 2 vezes mais comida

do que necessita para alimentar toda a população mundial, mas, mesmo assim, a fome e a pobreza continuam a aumentar nos países mais pobres desde 2020, e quando equacionamos a presente guerra, entre dois dos maiores produtores mundiais de bens de primeira necessidade, a tendência não será, certamente de melhoria.

Existe, ainda, uma parte da população no mundo que não entendeu as consequências severas que a falta de água, devido à seca deste ano, irá causar nos próximos anos e na nossa vida. A outra metade, a que já percebeu, já sofre consequências deste mal e de outros, há muito.

O mundo está caótico e mesmo que cada um de nós tente dar o seu melhor, receio que não seja suficiente. Há demasiados interesses a combater e demasiadas mudanças a serem feitas.

Não é que isso seja motivo para não fazer nada, mas desencoraja uma pessoa.

Certamente seria mais valorizado se escrevesse a apresentar soluções.
Mas soluções existem, falta é vontade das pessoas para as implementar, em Portugal e em muitos locais do Mundo.

Acham mesmo que o nosso planeta consegue aguentar este ritmo até 2040 ou 2050? Não se deixem enganar!

Lembrem-se que só temos um Planeta e vivemos todos nele, há apenas, 2 segundos.

 

Artigo de opinião de Domingos Carvalho,

Estudante de mestrado em Gestão e Gestor de Compras.

in Braga TV, link

29-Agosto-2022

Agenda


Pessoas
Livres

Liberdade
Individual

Mercados
Livres

Liberdade
Económica

Sociedades
Livres

Liberdade
Social

Cidadãos
Livres

Liberdade
Política

Vídeos


Seguro de Saúde Municipal

Mensagem de Rui Rocha

Intervenção de Bruno Machado

Estado da Saúde

Invasão da Ucrânia

Rui Rocha pede responsabilidades

© 2022 Iniciativa Liberal Braga