Total de taxas pagas pelos Bracarenses ao Município em 2022 (até ao momento)

Os Putinions e a teoria da ferradura

As razões que levaram partidos como PCP ou Bloco de Esquerda a tolerar ou mesmo a tomar partido por Putin são fáceis de perceber. A esquerda radical tem um especial enlevo por todos os que representam uma visão antiamericana, anti-NATO ou contrária aos valores fundamentais das democracias ocidentais.

É claro que, no caso de um partido populista como o Bloco, sempre disponível para ajustar as velas em função do vento, juntou-se a este reflexo pavloviano um erro grave de avaliação. O Bloco não previu que Putin avançasse com tal brutalidade nem que a opinião pública viesse a considerar-se não como espectadora da invasão, como aconteceu com a Crimeia ou a Chechénia, mas como vítima potencial da agressão.

Se a intervenção se tivesse desenvolvido rapidamente e com âmbito limitado, o Bloco de Esquerda poderia ter mantido o alinhamento com as alegações de corrupção e infiltração da extrema-direita no Governo de Kiev, com a tese da raiz comum dos povos russo e ucraniano ou com a teoria de que se tratava de uma resposta necessária a provocações sucessivas da NATO. Mas as coisas não aconteceram assim e Francisco Louçã, Catarina Martins e Mariana Mortágua confrontaram-se com a necessidade de, num esforço brutal de contorcionismo, se descolarem da imagem de Putinions a que, entretanto, se tinham deixado associar.

Todavia, se estas são as razões que levam a esquerda radical a alinhar, de forma mais ou menos declarada, com o autocrata de Moscovo, importa também perceber os motivos que fazem com que a extrema-direita se entusiasme igualmente com o novo imperialismo russo.

O que terá contribuído para que Jerónimo, João Ferreira, Louçã, Catarina Martins e Mariana Mortágua, uns mais envergonhados do que outros, acabassem a marchar, a propósito de Putin, ao lado de Bolsonaro, Salvini, Le Pen, Trump, o vice-presidente do Chega Tânger Correia ou Maria Vieira?

A explicação é simples. Para a direita radical, Putin representa a autoridade, a soberania, a força e o nacionalismo, em contraposição ao pluralismo, que é visto como uma debilidade das democracias liberais. Neste caso, tal como prevê a teoria da ferradura, os extremos aproximam-se. Sejam de esquerda ou de direita, representam visões que preferem a pulsão totalitária à liberdade.

A pergunta que se deve fazer é, pois, a seguinte: em que posição estaríamos se, num momento destes, em Portugal ou na Europa, os camaradas de Jerónimo e de Louçã ou os companheiros de André Ventura tivessem realmente o poder de influenciar decisões?

 

 Novo, Link

20, Mar 2022

Agenda


Pessoas
Livres

Liberdade
Individual

Mercados
Livres

Liberdade
Económica

Sociedades
Livres

Liberdade
Social

Cidadãos
Livres

Liberdade
Política

Vídeos


Intervenção de Rui Rocha

Mensagem de Rui Rocha

Intervenção de Bruno Machado

Apresentação da Candidatura

Legislativas 2022

Caminhada Liberal

Núcleos do Distrito de Braga

Barcelos

Guimarães

Vila Nova de Famalicão

Voluntariado

Inscrição

Faz-te Membro

Inscrição

 

WebSite

Termos de utilização

© 2022 Iniciativa Liberal Braga